crónicas Tag

De travo salgado na boca, a urgência do doce da bola de berlim enchia-me de saliva. Naquele ano ainda não havia trincado nenhuma na praia. Parei a pensar nessa absoluta absurda ausência na minha existência enquanto a miúda de passo largo e de anca agitada,...

Acordei. De tão próximos, às tantas já me pareciam tudo menos foguetes. Imaginei um campo de guerra ou um assalto à mão armada!  Eu sabia que a festa não tinha a dimensão dos foguetes e tive até saudades de quando partilhavam do mesmo protagonismo. Este...

Chegou-me a onda aos pés depois de um dia tórrido. E, entenda-se por tórrido, aqui, um dia que sem ser lembrado era esperado há muito. Não poderia chamar ao tórrido lufada de ar fresco, porque era parvo, mas era a baforada que as minhas pernas...

Era cedo. A minha mãe chegava da missa e eu estava certa que ela trazia coisas que se dizem só com a boca. Agora que escrevo, observo: as pessoas depois da missa falam de tudo menos da missa. Eu, que já não lá vou, lembro-me...

O vento esqueceu-se deste lugar. Lembrou-se dele o sol e a serenidade de tudo o que é coisa de muita gente não tem. O vento não se lembrou, mas deixou o mar lembrar-se e soprar dele, suave. A sussurrar baixinho. E a minha vontade assim...

Sento-me na sala, como de costume, nos lugares vazios da quinta fila a contar da frente. Um, dois, três, quatro, cinco. É aqui. Os lugares que ninguém quer são a minha escolha óbvia. As cabeças distraem-me e fazem-me perder o filme. Vou sentar-me naquelas. É...