Nua

Nua

Acordar num quarto sem papéis e livros apinhados, sem roupas no armário, sem champôs e cremes na prateleira, sem objetos descriminados nas gavetas, nas cestinhas e mais coisinhas com ares de caixa. Eu então, tenho esta caixinha onde coloco religiosamente os documentos e papéis importantes, mas que de forma impressionante torna-se a caixinha dos papéis que não interessam a ninguém. Não sei o que lhe acontece em cada ano, mas fica cheia de muitos nadas e vai lá sempre parar um carregador de um telemóvel perdido, mais uma chave de uma casa onde morei. A propósito da chave, já morei em tantas casas que não me lembro de quantas. Aqui e ali, por toda a grande Lisboa, em função de um ou outro projeto, poucas vezes em função de onde queria estar. Esqueci-me de acrescentar que nessa caixinha está lá sempre a chave suplente do carro, é de resto o que de mais importante lá mora, ainda assim tem apenas a importância do que custa arranjar outra.
Ia onde? Ah! Na caixa. Depressa se torna dispensável e eu não a dispenso. Fica ali, como caixa mãe de todas as outras que vou arranjando para colocar coisas a que dou preferência e relevância. As outras, são novas, frescas! É impressionante, até para se ser coisa, a novidade pega! Mesmo que a novidade tenha o toque da madeira rústica. Acho que o mesmo serve para as paixões, aquelas que às vezes, por sorte ou azar acontecem às pessoas.
Posso voltar a acordar? Sim? Boa.
Acordar sem e-mails na caixinha digital. Eu diria até, acordar sem e-mail, sem password, sem uma única fotografia minha. Acordar sem rasto. Acordar nua. Nua do meu conto, do meu era uma vez. Acordar nua, numa folha branca.

Posso soprar?

Gabriela Relvas

Upgrade-AVP Annuza

No Comments

Post A Comment