(Des) Encontrei-te Como se encontram Inesperadamente, Fotografias de amores incomparáveis. Na caixa que todos guardamos, Estavas lá Sem que te conhecesse ainda. E o teu corpo, Mudo. Tanto que o ouvia Só te ouvia. A tua mão mexeu-se Arranjaste o casaco Contorci-me Caí toda de pé. Fiquei-me nos meus pés Ali Sem altos portões Sem frases bonitas Despida. Doze demorados segundos despida Lambi o chão. A sala...

Quando nascemos mulheres e temos 34 anos, o mundo passa a comportar-se de forma estranha. Falo do meu mundo, o único que conheço e que a saber, sei muito pouco. Ainda assim, purgar estas matérias, falar-me, é um remédio que não se vende. O mundo passa...

Parei de escrever e isso provoca-me uma angústia imensa. Vou começar assim, com os pontos da situação. E a situação é feita de várias situações, estando eu por isso, neste momento exato, a não saber empalavrar as coisas. Tenho-me lembrado das “palavras impossíveis de escrever”...

Amoras. O bolo era de coco e amoras. Amoras que crescem espontâneas e livres. Apanhei-as com as mãos e uma bacia, em cima do banquinho que servia para chegar a todas as coisas, quatro pés de ferro e um minúsculo quadrado de madeira. Apanhei-as com cuidado....

Cabeças, braços, tronco, pernas. Cabeças de várias cores, por causa dos cabelos. Ao longe lembram-me fósforos. Apagados. De perto, feios, invariavelmente feios. Transpiramos que nem porcos. Dentes. Uns mais afiados que outros. Uns, mais lavados que outros. E, de novo, ao longe, tal qual baratas,...

Este vídeo não é mais que a forma de falar de alguém apaixonado. Sensações, só. Tudo ligado às raízes que me ligam à terra que me viu crescer. Por isso, não me levem a mal por dizer que são os melhores passadiços do mundo.   Gabriela Relvas ...

Cada vez que te viro as costas. Cada vez que te viro as costas, repito, porque é assim que o sinto, feio e doído. Nunca te disse. Porque raio não dizemos o que vai na alma a quem mais nos merece despidos? Afinal, são só...