Gosto de chegar a horas, talvez venha daí o problema que me formiga. A partir do momento em que comecei a perceber a importância de chegar a horas, tornei-me refém. Sinto-lhe as velocidades com uma sensibilidade capaz de intuir. Sinto-o lento. Sinto-o demorado e impaciente....

Comecei a escrever este texto no comboio, esta parte não, esta que vos escrevo agora. Agora, que nunca será o mesmo agora vosso, estou na minha cama. Lá fora está um frio danado e eu tenho dores abdominais de tossir. A febre já passou. O...

Vou situar-vos. A Antónia é a minha sobrinha e tem 4 anos. Tornou-se recentemente na pessoa mais dotada de clarividência que conheço. - Antónia, o mercado de príncipes esgotou! - Esgotou Titi? Titi pode parecer um pouco parolo. Mas eu sou a Titi e não me importo de...

Contar as coisas como elas são pode parecer a dificuldade de uma vida inteira. Senti isso assim que encostei o meu diário dos 13 anos. Desalinhada com a vontade que tinha de escrever e viver, fui viver. Parecera-me o mais inteligente na altura. E foi....

Exagerar, a Helena andava com sede de exagerar. A vida como ela é não lhe parecia suficiente e por isso desafiava o tempo com a impaciência que imperava a sua existência. - Os casamentos são feitos de engenheiros e radiologistas. Tudo por amor. - Essa é a...

Todas as certezas, todas, parecem-me tão permeáveis que lhes devia dar outro nome. Eu estou certa que amanhã é outro dia, não estando certa. Amanhã o mundo acaba, amanhã eu não acordo, amanhã o dia é exatamente o mesmo dia, com as mesmas “indescobertas”. Ora,...

Aprendi a gostar de papel no tempo quando. Quando estava nesse estado imperceptível de ficar maior. Quando fico maior hoje e amanhã. O meu pai assegurou-se de me passar isso, não fosse ele O transformador de papel, que das folhas que não terminam, faz com...

A Helena por aqueles dias deitava-se sempre cedo. Então, de meias de lã grossa nos pés e uma camisa obscenamente fresca, enfiava-se de rompante debaixo dos cobertores. Ela adorava os contrastes de temperaturas e tecidos. A seda da camisa de alças, o aconchego dos lençóis...

Quando é amor, nós sabemos que é amor. Eu acabei de escrever isto a acreditar e a não acreditar de todo. Talvez acreditando mais do que desacreditando. Só que nunca é. Já me perguntei vezes sem conta sobre a minha incapacidade de me apaixonar. Estarei...